Black Label Society | Machine Gun Man

Isso é musicalidade, isso é profundidade na poesia, isso é arte! Reflita na letra viaje em um dos solos mais loucos que você verá hoje.

Cara da metralhadora

Me diga Mãe, qual o objetivo
E pelo que um jovem tem que lutar,
Compelido na procura da guerra diária,
Procurando por algum problema
Que eu tenho certeza que ele vai encontrar,
Gastando toda sua vida na luta, filho,
Conheça a sua hora de morrer

É uma vergonha,
É uma vergonha Deus,
O gatilho ser seu único amigo,
É uma vergonha, se é,
Mas isso nunca vai se acabar,

Ele é um bolso cheio de ódio
Que não tá nem aí pra nada
O que aguarda o destino do cara da metralhadora?
Bem, ele não tem futuro nenhum
E nem um objetivo
O que aguarda o destino do cara da metralhora?

Eu não consigo ver o amanhã
E não vejo o hoje também
O trilho da confusão é onde guio o meu caminho
Eles dizer em a única coisa pior que matar, Senhor,
É perder tempo,
Eu digo que a única alma que não vale a pena ser salva Mãe,
É a minha

É uma vergonha,
É uma vergonha Deus,
O gatilho ser seu único amigo,
É uma vergonha, se é,
Mas isso nunca vai se acabar,

Ele é um bolso cheio de ódio
Que não tá nem aí pra nada
O que aguarda o destino do cara da metralhadora?
Bem, ele não tem futuro nenhum
E nem um objetivo
O que aguarda o destino do cara da metralhora?

Ele continua a atirar Mãe, como qualquer velho idiota pode atirar
Senhor, a vida que ele vive não é a que ele pôde escolher
E quando ele sai pela porta
A Mãe começa a chorar
E ela diz para o cara da metralhadora
Adeus, adeus, adeus, adeus…

Alisson Palaoro

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: