O escafandro e a borboleta

França, 1996.

No silêncio do quarto 119, Jean-Dominique Bauby emerge do coma. Cerca de dois meses antes, o então redator-chefe da revista Elle sofrera um acidente vascular cerebral, comprometendo todas suas funções motoras. Incapaz de movimentar-se, comer, falar e até mesmo respirar sem a ajuda de aparelhos, fora atingido por aquilo que a medicina chama de “locked-in syndrome”, literalmente, trancado no interior de si mesmo.

Com exceção do olho esquerdo, seu corpo fora fadado à inércia. Dadas as circunstâncias, não havia tempo a perder em sua nova morada, o Hospital de Berck. Aprendeu a se comunicar através de piscadas e, assim, decidiu escrever um livro. Cartões-postais de uma terra distante.

Permito-me ser tomada “pelo acesso de riso nervoso que o acúmulo de catástrofes sempre acaba por provocar quando decidimos tratar o último golpe do destino como piada”. Ainda que sob circunstâncias distintas, também estou presa em meu corpo. Assim como Jean-Dominique, faço das palavras minha morada, transcrevendo-as em cadernos de viagem imóvel. Infelizmente, elas não tangem a importância que suas piscadas têm em minha vida.

Para Jean-Dominique Bauby, onde quer que esteja: Obrigada por me lembrar que mesmo dentro do escafandro, eu ainda sou uma bela borboleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s