A distorção de uma realidade que nunca existiu

Começo este texto assumindo algo que nunca havia assumido até então: fui viciada até 2 anos atrás. Sim, por 8 anos da minha vida, me doei de corpo e alma a algo que eu sempre soube que não me fazia bem. Não, não fumei, nem me droguei, muito menos bebi. Aliás, só comecei a beber por conta do mal que esse outro vício me causava.

Não sei se vocês lembram – ou sabem da existência disso -, mas com o fim do Orkut, em 2014, se deu o fim de uma era de fakes na internet. Pois bem, eu tinha (era?) um deles. Algo que começou como um passatempo em um dia que não tinha aula no colégio, se transformou em um monstro que carrego comigo até hoje, 2 anos após eu ter me afastado do tal vício.

Era agosto de 2006 quando tudo começou. A febre Rebelde fervia entre a juventude da época e eu, como a grande maioria, também queria fazer parte do fenômeno. Seria muito mais fácil ter me vestido como os personagens ou ter feito uso de uma característica própria deles, como uma estrelinha colada no meio da testa. Mas não, resolvi criar um perfil falso em uma rede social, porque assim eu poderia ser quem eu quisesse. E fui – por um tempo.

A bem da verdade é que sempre admirei quem conseguia separar o virtual do real, pois eu nunca consegui. É fato que no virtual eu era o que jamais consegui ser “de verdade”, como fria, sem coração e filha-da-puta. As pessoas, aqui fora, já me machucaram bastante e eu nunca soube levar isso numa boa. Então, a partir disso, decidi machucar quem eu sequer conhecia através dessas características citadas. Eu deixei, muitas vezes, de viver o real para viver a ficção. Eu me afastei da família, dos amigos, de quem realmente me queria bem. E pra que? Pra ter um gostinho de que eu era marcante pra certas pessoas? Sim, exatamente por isso. E o pior de tudo é que esse marco nem era algo positivo.

Acredito que me deixei levar pela tradução literal da palavra estrangeira fake. Por significar “falso”, não exitei em ser apenas mais um rostinho-bonitinho-sem-conteúdo. Eu perdi toda a minha essência de ser naqueles 8 anos em que estive enclausurada em um lugar composto de pessoas falsas quanto eu. No sentido literal da coisa – ou não. É fato que conheci algumas pessoas fora daquele mundo fechado por 4 lados de uma tela e não foi de todo ruim. Aliás, tenho contato – ou quase – até hoje com pessoas que conseguiram atravessar a minha frieza e filha-da-putisse. Mas e o resto?

E o resto daqueles que não conseguiram ultrapassar aquela barreira que criei? E como será que estão aqueles que eu mais magoei? Por onde andam os tantos outros que me derrubaram e me deram as costas quando eu estava num momento frágil? Como é que se pede desculpas diante dessa situação? Porque é assim, depois de 2 anos distante de um mundo que só me desmotivou, eu finalmente percebi que não precisava de tudo aquilo pra (fingir) que eu era feliz – até porque eu nem era. Eu fui descobrir a verdadeira realidade após me afastar e conhecer quem eu era realmente. Eu não sou uma pessoa fria, sem coração e filha-da-puta. Na verdade, eu aprendi assim ser. E é com muito custo que estou desconstruindo essa imagem que criei.

Agora estou aprendendo a sorrir, a agradecer e a aproveitar cada instante perto de quem sempre me quis bem. Estou aprendendo a caminhar de cara lavada e não com uma máscara e armadura que resolvi vestir há 8 anos. Estou aprendendo a lidar com o fato de que sinto muito mais do que um dia ousei em sentir, seja qual sentimento for. Estou aprendendo a ser exatamente aquilo que sempre fui e não o que esperavam de mim por conta da reputação que eu mesma criei.

Ah, também estou aprendendo a re-marcar a vida das pessoas. Só que dessa vez é através da minha melhor parte, já que a pior fiz questão de deixar no passado juntamente com aquilo – e aqueles – que hoje custo a esquecer.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s