Devaneios

tmp_12707-large1549139756

Hoje eu só queria ficar quieta num canto escuro. Sem ninguém ao redor, compartilhando o momento apenas junto ao silêncio. Às vezes o silêncio faz bem, ele diz tanto sobre a gente. Os pensamentos se dissipam na mente e, quando você se dá conta, já é tarde. Não tem mais como voltar ao estado inicial. Agora, tudo já se misturou às angústias e aflições que o mundo moderno traz para todos. Que atire a primeira pedra quem nunca sofreu de ansiedade em um lugar novo e cheio de desconhecidos. Descobrir coisas novas nunca foi o meu forte, eu prefiro me redescobrir.

Aliás, eu gosto de me contemplar. Silenciosamente me contemplo e me dispo de todos os sentimentos e sensações e medos que insistem em me rodear. A sensação é boa, a serenidade vem logo depois. A vida até parece certa em momentos como esse, mas basta um piscar de olhos para tudo voltar ao normal. Eu nunca gostei de ser normal, sempre preferi ser aquela que todos falam de um jeito ou de outro. Prefiro ser alguém que eu queira ser do que fingir ser quem nunca quis. Pessoas vazias me assustam. Pessoas vazias de individualidade então, ainda mais.

Quem são as pessoas que constroem o nosso mundo? Elas deveriam realmente estar envolvidas nisso? O nosso mundo não deveria ser construído por cada pessoa que nele habita? A dificuldade da compreensão é tamanha que já não sei se vale a pena discutir sobre ou não. Onde é que tudo isso vai parar? Para onde iremos quando tudo terminar? Eu não quero que termine, ainda tenho tanto a fazer. Tenho tanto a sonhar. Ainda quero prevalecer, fazer do chão que piso o meu infinito particular. Todos querem, poucos têm. Já não sei o que tenho, só sei que ainda falta algo. Falta alguém.

Vários passos dados em direção alguma, às vezes me pergunto como foi que cheguei aqui. Justamente onde estou é onde menos deveria estar. O meu lugar é longe, não sei se sequer existe, gostaria de sair para procurar. Uma companhia essencial ainda necessito, mas todas as coisas estão se encaixando, não sei bem onde colocar uma peça adicional. Quem sabe dentro de algo ou de alguém. Desde que não seja em outro a não ser eu, tudo bem.

Advertisements

3 comments

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s