Como se tornar um profissional da Cruz Vermelha Internacional

Você tem aquele brilho nos olhos quando o assunto é missão humanitária? Tem um sonho latejante no peito de viver em prol do próximo? Já pensou em trabalhar no Comitê Internacional da Cruz Vermelha? Hoje você terá acesso a todos os direcionamentos necessários para ter uma carreira brilhante na organização. As dicas que virão foram dadas pela Patrícia Costa de Almeida Castro, Coordenadora de Atração e Aquisição de Talentos da Cruz Vermelha Internacional nessa terça (10/09) na palestra organizada pelo Instituto Legado.

A primeira coisa que você precisa desconstruir na sua mente, é que o trabalho na Cruz Vermelha é um trabalho voluntário. O investimento no profissional é pesado e sendo assim, precisa estar bem amarrado por um contrato profissional, por tanto se você for trabalhar em missões humanitárias você receberá um salário digno. E falando em profissional, a Cruz Vermelha Internacional contam atualmente com cerca de 15 mil profissionais.

Agora sim, as dicas práticas! Para trabalhar no Comitê Internacional da Cruz Vermelha você precisa:

01 – Ter uma motivação humanitária latente no peito. Afinal de contas você atuará diretamente com pessoas em situações extremamente complicadas.

02 – Estar disposto a ser enviado por dois anos seguidos para países que você não terá a oportunidade de escolher. Detalhe, você vai sozinho, sem família. São doze meses em um país e doze meses em outro. Somente depois disso você tem a possibilidade de mapear cinco regiões que gostaria de atuar. Aí sim você pode levar família, mas tenha sempre em mente uma coisa: você está em missão humanitária, sendo assim, pode ser que seu nome seja requisitado em outras regiões com urgência e lá irá você novamente.

03 – É necessário ter o domínio de mais de um idioma, mas geralmente são escolhidas pessoas com no mínimo três! Os principais são: Inglês, Francês, Espanhol, Russo e Árabe.

04 – Desenvolva suas competências interpessoais, isso será um fator importantíssimo na hora da sua seleção. Você precisa conseguir se conectar com o próximo.

05 – Invista pesado na sua carreira, pois a formação profissional é requisito básico na hora da seleção. Estude muito.

06 – Mas nem só de teoria vive um missionário, então atue na área também. É necessário ter no mínimo dois anos de experiência na sua área para poder participar da seleção.

07 – Você vai ter que dirigir. Imagina só, numa missão onde falta água e luz, você não acha que terá alguém só pra dirigir para você não é mesmo? Então corra atras e tire sua habilitação!

08 – Era óbvio que esse tópico uma hora chegaria. Você será avaliado quanto a liderança. Só bons líderes são bons agentes missionários.

09 – Você precisa ter iniciativa. Não espere os outros mandarem, assuma o comando das suas ações. Tenha proatividade.

10 – Comprometimento com a causa, equipe e com a organização é requisito básico também.

11 – O seu foco tem que estar todo no beneficiário. Se você está em uma missão humanitária, toda a sua atenção tem que ser voltada para as pessoas assistidas.

12 – Saiba trabalhar em equipe, sem isso você não passa nem da primeira seleção.

13 – Faça uma autoavaliação e veja se você tem um cérebro rápido e eficaz, competências emocionais e técnicas, coração humanitário, estômago para enfrentar todo tipo de adversidade e coragem!

Se depois de ler tudo isso, você consegue olhar para o futuro e se ver atuando com missões humanitárias, então agora você vai conhecer o passo a passo para entrar de vez na CICV.

Você vai enviar o seu currículo junto com uma carta motivacional por e-mail. Essa carta não é uma extensão do seu currículo, é muito mais que isso. Ela é o ponto chave. Escreva nela todos os motivos que você tem para atuar em causas humanitárias. Coloque seu coração nessa carta, ela é um ponto fundamental. Para o envio do e-mail, baixe o formulário aqui.

Caso seu currículo e carta estejam dentro das expectativas você receberá um contato telefônico. Mantenha a calma, pois esse contato pode demorar até dois meses para acontecer.

O próximo passo são as entrevistas para a pré-seleção e teste de idiomas (aqueles do item 3). Essa entrevista pode ser em Genebra ou em uma das delegações. Caso você não passe na primeira tentativa, relaxa, em alguns casos acontecem duas entrevistas.

Só aí você vai para um centro de recrutamento, onde serão testados todos os requisitos citados até aqui. Em uma simulação você será levado ao extremo stress para ver como você age diante das situações, junto com uma equipe de outros cinco candidatos.

Somente após passar por tudo isso e ser aprovado em todos os requisitos é que você passa para o momento de Planejamento Global, onde será traçado o seu perfil de interesse e um curso de dez dias de integração. Aí sim, se prepare, pois você irá para a sua primeira missão!

Eu sei, parece muita coisa, não é mesmo? Mas não esqueça que tudo isso começa com um coração humanitário, se você já tem isso, então foca nos objetivos e vai se preparando e quando tiver pronto, seja daqui há dois, cinco ou quinze anos, se candidata, pois o mundo precisa de você!

Siga o Regra.

Advertisements

One comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s