Bolsonaro coloca ruralista na presidência da Funai

O delegado da Polícia Federal Marcelo Augusto Xavier da Silva é o novo presidente da Funai. Ele assume a presidência do órgão após a saída do general Franklimberg Ribeiro de Freitas, exonerado por pressão de ruralistas. 

O delegado Marcelo Augusto Xavier tem um histórico nada indigenista. Ele atuou na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Funai, em 2016, como assessor da bancada ruralista. A CPI foi criada para apurar supostas irregularidades cometidas pelo Incra e pela Funai em processos de titulação de quilombos e de demarcação de Terras Indígenas. O relatório final propôs a revisão de demarcações de terras indígenas – uma bandeira do governo Bolsonaro. O objetivo real da comissão era perseguir e criminalizar lideranças e organizações indígenas e indigenistas, antropólogos e servidores públicos – os mesmos setores considerados inimigos pelo governo Bolsonaro. 

Marcelo Augusto já passou pela Funai. Trabalhou na ouvidoria do órgão. Nessa época, ele chegou a solicitar que policiais investigassem supostas “invasões” de indígenas em áreas que reivindicam no Mato Grosso do Sul. As denúncias do então ouvidor contra os indígenas e ONGs mostraram-se sem fundamento. Pouco depois, ele acabou sendo demitido. 

Em 24 de janeiro deste ano, já no governo Bolsonaro, Marcelo Augusto ganhou mais um cargo em Brasília: o de assessor especial de Nabhan Garcia, presidente licenciado da União Democrática Ruralista (UDR) e atual secretário especial de Assuntos Fundiários do Ministério da Agricultura. Nabhan é o maior inimigo das demarcações de Terras Indígenas dentro do governo. 

A nomeação do delegado na Presidência da Funai faz parte do plano de Bolsonaro de dar o controle total do órgão aos ruralistas e, assim, cumprir seu compromisso de campanha de paralisar de vez e rever as demarcações de Terras Indígenas. 


O texto original foi produzido para o podcast Copiô, Parante, do ISA (Instituto Socioambiental). O Copiô é primeiro podcast feito para os povos indígenas no Brasil, e é distribuído para povos indígenas de todo o país através do Whatsapp.

No programa da última sexta também foi tratado: A ocupação da SESAI continua, os índios reivindicam, dentre outras coisas, um atendimento adequado e meios de transporte para levar os doentes até os hospitais. O programa também traz detalhes sobre a visita dos povos Yanomami em Brasília. Eles entregaram o PGTA e Protocolo de Consulta nos principais órgãos da esfera federal.

Produção e apresentação: Letícia Leite
Edição de texto: Oswaldo Braga
Produção e Edição de áudio: Erick Mota

Assine o podcast no Spotify e fique por dentro de todas as notícias que rolam em Brasília e que interessam aos índios e aos povos da floresta.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s