TCU CONSTATA IRREGULARIDADES EM NOMEAÇÕES MILITARES, COMPROVANDO DENÚNCIAS FEITAS PELA ASCEMA NACIONAL

Nota pública da Ascema Nacional

O jornal Estadão teve acesso ao relatório que analisou que cargos de chefia do Ibama, nomeados pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, desrespeitou condições impostas pelo próprio governo Bolsonaro.

              Desde o ano passado, Ricardo Salles vem promovendo a militarização dos órgãos ambientais, principalmente do IBAMA. Mesmo que os cargos sejam de confiança e comissionados, o estudo do TCU mostra que nenhuma dessas nomeações atendem as exigências do decreto 9.727, publicado pelo presidente da república, Jair Bolsonaro.

Este e outros processos de irregularidades corroboram com denúncias já feitas e publicadas pela Ascema desde o início deste governo Bolsonaro e da gestão de Ricardo Salles. Entendemos que o projeto de fusão do IBAMA e ICMBio, a retirada de brigadistas de campos que atuam contra o fogo nos biomas e entre outras ações, são parte de uma estratégia para potencializar a degradação ambiental.

              Esta denúncia deixa claro a estratégia do ministro do meio ambiente em atender seus interesses e promover um desmonte ambiental dentro dos órgãos. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) é uma importante instituição de fiscalização e controle ambiental. O relatório do TCU aponta mais um ataque onde os interesses do povo e, principalmente, do meio ambiente são secundários.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: