AFINAL, O QUE É INVESTIR?

Olá querido leitor/querida leitora!              

Fico muito feliz de estar mais uma vez escrevendo para essa coluna no Regra dos Terços, podendo compartilhar um pouquinho de conhecimento sobre o mundo das finanças e investimentos. Já leu a primeira edição? Se não leu, acesse aqui e depois me conte o que achou.

Começo esse texto com uma pergunta bem simples: afinal, o que é investir? Pode parecer uma indagação boba, dúbia ou mesmo complexa, a depender dos olhos do de quem lê. Para mim, uma das melhores e mais simples definições é: investir é comprar algo barato que será vendido caro mais tarde, gerando lucro. Pense comigo: ninguém, em sã consciência, compra algo hoje com intenção explícita de vender mais barato no futuro, gerando um prejuízo financeiro.

É lógico que, se este “algo” tem outros fins que não exclusivamente a venda futura com lucro (por exemplo, um carro que você usará para se locomover, e mais tarde, na sua troca, venderá abaixo do valor que comprou), pode-se admitir a venda com prejuízo. Daí o surgimento, por exemplo, dos mais variados bens que existem hoje em nossa vida cotidiana. Mas divago, esse é um papo totalmente distinto (e complexo) para outra coluna…

Voltando ao tema, escolhi a definição prévia por ser objetiva e remeter ao cerne do nosso principal assunto, já que cada um planeja seus investimentos para possuir mais recursos no futuro. Porém, o leitor mais atento pode ter notado que escapa à definição um ponto crucial: como uma pessoa pode ter a certeza de que, ao comprar ou adquirir um bem ou ativo, ele, de fato, valerá mais lá na frente? Pois é, amigo leitor ou amiga leitora, acabo de lhes introduzir o conceito de incerteza, que permeia sempre as decisões de investimentos, seja na renda fixa, renda variável e outros mercados. Ou mesmo quando você “investe” naquela pessoa especial, não temos garantias de que haverá retorno. No entanto, não é por termos incerteza que deixaremos de investir: existem inúmeras formas de se mitigar tal sinônimo de risco, no jargão financeiro, e ainda assim obter bons retornos.

Em resumo, por mais que existam várias definições sobre o que é investir, desde as mais curtas às mais elaboradas, investir não é apenas seguir aquela dica “esperta” que você leu em um blog, ou mesmo que seu amigo lhe passou; é um processo que se constrói dia a dia, através de estudos, tentativas e erros, colocando aquele dinheirinho suado que se juntou ao final do mês para trabalhar para você.

Não deixe de me seguir no Instagram, posto bastante conteúdo por lá também.              

Até a próxima semana!

*Henrique Costa é engenheiro eletricista formado pela UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Atua no setor industrial e de energias renováveis há cerca de 10 anos. Entusiasta do mundo dos investimentos, aprendeu desde cedo que poupar e investir é um dos melhores caminhos para se atingir os objetivos da vida. No Regra dos Terços é autor da coluna “Pra que investir?”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: