fbpx

A morte de Paulo Vaz, especulações, homenagens e violência contra transexuais

A morte de Paulo Vaz, especulações, homenagens e violência contra transexuais
Morre, aos 36 anos Paulo Vaz (Popó Vaz) (Foto: reprodução)

A morte do ativista trans Paulo Vaz, conhecido como Popó Vaz, está comovendo a internet. Homem trans, Popó Vaz tinha 36 anos e foi encontrado morto na última segunda-feira (14). Apesar dos boatos que estão circulando, a causa da morte ainda não foi confirmada.

Policial civil, Paulo era um dos poucos homens transexuais que trabalhava na polícia. Casado com o Youtuber Pedro HMC, do canal “Põe na Roda”, era muito ativo nas redes sociais e ficou conhecido por sair em defesa dos direitos da comunidade LGBTQIA+.

Paulo sofreu diversos ataques transfóbicos quando se assumiu homem gay e divulgou o casamento com Pedro. A Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) divulgou uma nota de pesar pelo falecimento do ativista.

“Com muita triste recebemos a notícia que o Paulo Vaz @popo_vaz nos deixou. Paulo era querido e amado por todas a sua volta. Ativista engajado e dedicado a luta trans, sempre fez questão de construir pontes, atuar no enfrentamento da transfobia e em defesa das pessoas transmasculinas.

Homem trans gay, policial civil, sempre abordava questões sobre sexualidade e gênero de forma leve e descontraída. Era uma alma doce e um coração lindo demais.

Foi protagonista de uma de nossas campanhas pelo dia da visibilidade trans. Além de fazer diversas publicidades e participações em mídias e televisão sobre a visibilidade transmasculina.

Paulo não estará mais entre nós ou em nossos Story falando com aquele sotaque mineiro tão marcante. Infelizmente perdemos mais um de nós que não suportou continuar em uma sociedade tão violenta e desumana.

A ANTRA se solidariza a familia e amigos do Paulo, em especial ao querido Pedro HMC com o qual eram casados. Recebam nosso mais sincero abraço e nossos sentimentos’, diz a nota.

Por falar que o ativista “não suportou continuar em uma sociedade tão violenta e desumana”, começou-se a ser especulado que o motivo da morte seria suicídio, o que, até o momento da publicação dessa reportagem, não foi confirmado.

Pesquisa realizada em 2015 pelo Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT e pelo Departamento de Antropologia e Arqueologia da UFMG, revela que, dos 28 homens trans ouvidos, 85,7% já cogitou ou tentou suicídio. 

Violência contra pessoas trans

Dados Dossiê Assassinatos e Violências Contra Travestis e Transexuais Brasileiras em 2021, que é resultado de um estudo realizado pela Antra, com apoio de universidades como a Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), Federal de São Paulo (Unifesp) e Federal de Minas Gerais (UFMG), apontam que em 2021, foram registrados 140 assassinatos de pessoas trans no Brasil. Deste total, 135 tiveram como vítimas travestis e mulheres transexuais e cinco vitimaram homens trans e pessoas transmasculinas.

Apesar do número ser menor que o levantamento feito em 2020, quando foram registrados 175 assassinatos de pessoas trans, foi superior ao de 2019, no período pré-pandemia, quando foram contabilizados 124 óbitos. O número de 2021 está acima da média desde 2008, de 123,8 homicídios anuais de pessoas pertencentes a esse segmento.

Homenagens ao ativista

Centenas de personalidades públicas publicaram notas de pesas pela morte do policial. A vereadora Erika Hilton (PSOL-SP), afirmou que ficou devastada com a notícia da morte de Paulo Vaz. “Acabo de receber a notícia do falecimento do Paulo Vaz e estou devastada. Ele era muito querido e é uma tristeza que tenha nos deixado. Desejo muita força e solidariedade para toda a família e a todes nesse momento”, disse nas redes sociais.

O cantor Johnny Hooker ressaltou a generosidade do ativista. “Muita força pros amigos e familiares desse ser de luz e generosidade que era o Paulo Vaz! Um beijo em especial pro @hmcpedro ❤️🙏🏳️‍⚧️ Obrigado por ter sido um agente de tanta transformação nesse mundo! Rest in Power! ❤️”, publicou.

O deputado federal David Mirada (PSOL-RJ) prestou solidariedade aos familiares. “Infelizmente perdemos o ativista Paulo Vaz, importante voz pela luta dos direitos comunidade transexual. Nossos sentimentos a amigos e familiares”, disse.

Erick Mota

Jornalista com passagem em grandes veículos de comunicação, como RICTV Record, Gazeta do Povo e Congresso em Foco. Foi repórter de rede da Band e Bandnews TV e rádio BandNews FM, em Brasília. Fundador do Regra dos Terços.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: