BOLSONARO VETA PROJETO DE DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE ABSORVENTES FEMININOS PARA ESTUDANTES DE BAIXA RENDA

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), vetou o projeto que propunha a distribuição gratuita de absorventes femininos para estudantes de baixa renda de escolas públicas e mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema.

A decisão do chefe do Executivo foi publicada nesta quinta-feira (7) no Diário Oficial da União (DOU), com o argumento de que o projeto não havia estabelecido fonte de custeio. A proposta que é de origem da Câmara dos Deputados foi avalizada pelo Senado no dia 14 de setembro.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

PSOL na Câmara denuncia Bolsonaro ao alto Comissariado da ONU por vetar distribuição de absorventes

Taliria Petrone, líder do PSOL, está colhendo assinaturas de parlamentares de outros partidos para adesão do documento que seguirá para Relatoria especial sobre violência contra mulher e também à Relatoria especial sobre direito à Saúde, da Organização das Nações Unidas (ONU).

“Esse veto de Bolsonaro é tão absurdo, quanto escandaloso. Só mostra o quanto o governo é sexista e trabalha incansavelmente contra os nossos direitos. Uma proposta fundamental de saúde pública, que já deveria ter partido do próprio Executivo, mas que o presidente preferiu vetar com um argumento que não nos convence. Precisamos denunciar internacionalmente mais esse ataque, para que o resto do mundo saiba o que o Brasil enfrenta com esse governo fascista, sexista e misógino. Bolsonaro segue ferindo tratados internacionais que preveem a garantia de direitos humanos e a ONU precisa se posicionar diante desse absurdo. E vamos lutar para derrubar o veto”, ressalta Talíria.

Na denúncia em questão, os parlamentares destacam que o veto de Bolsonaro é desumano e ultrajante. “A falta de absorventes higiênicos leva garotas a perder aulas e a alternativas precárias e insalubres, que incluem o uso de papelão, sacolas plásticas e até pedaços de pão”, destaca um dos trechos do documento.

Apesar do veto presidencial, você pode fazer a diferença!

Há algum tempo rolou no Regra Entrevista uma conversa muito importante com a publicitária e idealizadora da Comunidade Sangue Nosso, Larissa Maia. Às jornalistas Eline Carrano e Kelli Kadanus, Larissa disse que a menstruação ainda é um grande tabu na sociedade. “Todos nós precisamos acabar com esse tabu de que estar menstruada, falar sobre menstruação, é algo feio, sujo ou não natural”, disse. 

O tema da entrevista foi pobreza menstrual, assunto que tem ganhado repercussão nos últimos anos em vários países, inclusive no Brasil. Pobreza menstrual é o termo usado para caracterizar a falta de acesso a recursos, infraestrutura e conhecimento sobre cuidados com a menstruação. 

Um relatório realizado pela Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) apresentou dados alarmantes sobre o acesso de meninas e mulheres a itens mínimos de cuidados menstruais: mais de 4 milhões não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas e 713 mil meninas vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro no domicílio. 

Larissa analisa que para mudar esta realidade é preciso que haja investimentos públicos para que as mulheres tenham acesso não só a itens de cuidados menstruais, mas também a infraestrutura. “Não adianta eu sonhar com um futuro lindo de coletores menstruais ou calcinhas absorventes se aquela mulher que se encontra na rua não tem acesso a um banheiro. Ela não pode lavar o coletor”, explicou.  

“A pobreza menstrual ainda permeia toda a nossa sociedade”, avalia a publicitária. Larissa conta que começou a pensar no tema ao assistir ao documentário, Absorvendo o Tabu, transmitido pela plataforma de streamingNetflix, em 2018. O documentário mostra como a menstruação é tratada na índia e como as mulheres lidam com o período. A situação retratada comoveu Larissa que começou a pensar no que poderia fazer para ajudar mulheres brasileiras que não te acesso a absorventes. E em 2020, nasceu a Comunidade Sangue Nosso.

Com o desejo de mudar essa situação e ajudar mulheres em situação de rua e vulnerabilidade social de Fortaleza, capital do Ceará, a publicitária Larissa Maia, criou a comunidade Sangue Nosso que distribui kits com absorventes, calcinha, creme dental, escova de dente, papel higiênico, sabonete e máscaras de proteção individual. 

O trabalho é totalmente voluntário e conta com o apoio de doações financeiras para a aquisição dos produtos. Até o momento, mais duas mil mulheres já foram atendidas pela comunidade com a doação de absorventes. 

Deseja fazer uma doação ou se tornar um parceiro da iniciativa? Estes são os contatos:

Sangue Nosso

Contatos: (85) 99104-3423

Email: umsanguenosso@gmail.com

Pix para doações: umsanguenosso@gmail.com

Instagram: @sanguenosso

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: