LUANA ARAÚJO DIZ QUE AS MAIORES MENTES CIENTÍFICAS SE RECUSAM A TRABALHAR NO GOVERNO

A infectologista Luana Araújo está depondo na CPI da Covid-19 nesta quarta-feira (02), e, em menos de 20 minutos de fala, afirmou que as maiores mentes científicas não estão “exatamente disponíveis” para atuar no Ministério da Saúde, do governo do presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido). Segundo Luana, isto ocorre devido a polarização política. Ela chegou a afirmar de que o fato de estar depondo na CPI, por não ter sido aceita na Saúde, corrobora com a tese de polarização.

No último dia 12, Luana Araújo foi anunciada pelo ministro Marcelo Queiroga, como nova secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, estrutura recém-criada no Ministério da Saúde para centralizar os esforços do combate à pandemia. 

Araújo é médica infectologista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e tem pós-graduação na Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

Leia mais: As estratégias do governo e da oposição na CPI da Pandemia

Saiba mais: O que é uma CPI e como ela funciona

Assista: O que a CPI da Pandemia vai investigar?

Análise: Mandetta na CPI e Pazuello de atestado médico

Logo após o anúncio de seu nome, Luana passou a receber ataques nas redes e bolsonaristas começaram a compartilhar vídeos dela desacreditando o chamado tratamento precoce, composto de remédios sem eficácia comprovada contra Covid-19. Sua nomeação, que deveria sair na segunda subsequente ao anúncio, não ocorreu. Dez dias após ser apresentada como secretária, a nomeação foi cancelada. O nome de Luana nunca chegou a ser publicado no Diário Oficial da União (DOU).

O ministro Marcelo Queiroga afirmou em público que a nomeação de Luana Araújo não ocorreu por questões políticas. Na CPI, ela está depondo para falar sobre a recusa de seu nome, uma vez que é considerada uma técnica extremamente capacitada, tanto pela comunidade científica, quanto no meio político.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: