fbpx

DIA DO ORGULHO LÉSBICO

DIA DO ORGULHO LÉSBICO

Olá querides companheiros e companheiras!

Hoje é um dia de comemoração? Hummm… talvez não! Porém é um dia de orgulho com certeza. No dia 19 de agosto é comemorado o dia nacional do orgulho lésbico.

Agosto é o mês das Lésbicas. Pois é comemorado no mesmo mês, o dia nacional da visibilidade lésbica e o dia do orgulho lésbico. A data foi escolhida em memória da primeira manifestação de mulheres lésbicas no Brasil, que aconteceu em 1983.

Naquele ano, na noite de 19 de agosto, em São Paulo, as ativistas do grupo de ação lésbica feminista, ocuparam um bar chamado Ferro’s para protestar contra os abusos e preconceitos que vivenciavam no local e na cidade.

O bar era conhecido como um ponto de encontro onde diversos ativistas e artistas podiam fazer suas performances e divulgar seu trabalho. Porém, um mês antes, os donos do estabelecimento haviam vetado a distribuição do boletim “ChanacomChana”, primeira publicação ativista lésbica do Brasil, e expulsaram as autoras do local.

Com a ocupação do movimento Galf (Grupo ação lésbica feminista), os donos do bar cederam aos pedidos de divulgação da revista pelo estabelecimento. Considerada uma vitória pra época, as mulheres ativistas do movimento resolveram considerar aquele ato como um marco para as mudanças de olhares para com as mulheres gays.

A organização das lésbicas brasileiras, teve início em 1979, quando mulheres passaram a integrar o grupo “SOMOS”, a primeira organização LGBT do Brasil. Era comum que naquela época vários movimentos encabeçavam lutas e protestos de diferentes causas, mas como toda luta feminina sempre era mais difícil emplacar a voz de muitas mulheres. A luta dessas pessoas, as organizações que elas criaram e a coragem que tiveram para expor suas opiniões e sua orientação sexual foi muito importante para que hoje possamos relembrar estas datas com orgulho.

Bandeira Lésbica

Ser LGBTQIA+, é lutar para que a nossa voz seja ouvida, é mais do que se relacionar com alguém do mesmo sexo, ou pertencer à um gênero diferente, quando a gente assume esse rótulo e carrega essa bandeira, temos a responsabilidade de encorajar e dar cara ao tapa para que os nossos movimentos tenham visibilidade e longevidade.

Hoje temos orgulho, temos lugar de fala, mas ainda não é um dia de comemoração, é um dia de luta e de dizer não ao preconceito, seguimos juntes!

Jhey Borges

Jenifer Borges, publicitária, colunista e ativista das causas das mulheres, negros, jovens e LGBTQIA+, escrever é um ato político desde que suas palavras sejam condizentes com igualdade social e sua própria índole

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: