fbpx

Sou egoísta porque não quero ter filhos?

Sou egoísta porque não quero ter filhos?
Foto: Pixabay

Duas semanas. Esse é o limite máximo que um instinto minimamente materno é capaz de se manifestar em mim. Depois de uma experiência empírica que já dura duas semanas com um sobrinho em casa, a conclusão que eu chego é que eu não quero ser mãe. Nunca. Sem filhos para mim.

Nosso sobrinho de 10 anos está com a gente desde a virada do ano e só deve ir embora no final desta semana. Há menos de uma semana, minha sobrinha de 8 entrou para o time e veio também. E ontem eu já estava exausta. Com cara de acabada. Desejando por tudo que é de mais sagrado 10 minutos de silêncio. 

Vejam, isso não quer dizer que eu não ame meus sobrinhos. Muito pelo contrário. Todo mundo que me acompanha sabe do amor sem medidas que eu tenho por esses serzinhos. O quanto eu sofro por ficar longe deles. Também não quer dizer que eles dão trabalho. Os pais fizeram um ótimo trabalho e eles se viram bem, são comportados e até ajudam nas tarefas mais simples de casa, como lavar a louça, tirar o pó, varrer de vez em quando, alimentar o cachorro. 

Mas são duas crianças e eles precisam de atenção. De disposição pra brincar. De comida em horários razoáveis. Precisam ser lembrados de tomar banho uma vez ao dia. 

Minhas leituras estão atrasadas, eu não consigo ver nenhuma série que eu gosto há 19 dias, as roupas pra lavar dobraram, não dá mais pra jantar pipoca todo dia. Em resumo: todos os dias eu preciso levar em conta a necessidade de outros dois seres humanos ao tomar decisões sobre a minha rotina. 

Então eu cheguei a conclusão de que eu não quero. Isso faz de mim uma pessoa egoísta? Talvez. Mas ok, a gente passa tanto tempo priorizando outras coisas (o trabalho, a família, alguns amigos) que talvez esteja tudo bem não querer se comprometer assim com outro ser humano. Né?

Assine a newsletter do Sonhos do Avesso e tenha acesso a um conteúdo exclusivo todas as quartas-feiras! É só se inscrever neste link! É de graça!

Kelli Kadanus

Kelli Kadanus, jornalista, cronista, tia coruja. Escrevo para tentar me entender e entender o mundo. É assim desde que aprendi a juntar sílabas. Sonho em mudar o mundo e as palavras são minha única arma disponível.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: