fbpx

“EU TENHO RECEIO DE QUE HAJA RUPTURA INSTITUCIONAL”, DIZ KIM KATAGUIRI

“EU TENHO RECEIO DE QUE HAJA RUPTURA INSTITUCIONAL”, DIZ KIM KATAGUIRI

O deputado federal e fundador do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri (DEM-SP), foi o convidado do Regra Entrevista dessa terça-feira (24). Para Kataguiri os últimos atos e discursos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) são preocupantes a curto e longo prazo e podem refletir, inclusive, nas eleições de 2022.

> Cooptação de PMs por Bolsonaro acende alerta para o 7 de setembro

“Eu tenho receio de que haja ruptura institucional, que chegue em um ponto insustentável. Estamos em um nível de discussão de um general tentando demover Bolsonaro de uma decisão mais radical. Então até aonde vai isso?”, diz. O deputado analisa que o cenário político atual é fruto da inanição do parlamento em relação aos primeiros crimes atribuídos a Bolsonaro. 

“Acho que a situação que a gente vive é muito grave e que a reação aos arroubos autoritários do Bolsonaro deveria ter sido mais firme, principalmente, por parte do parlamento que é omisso em relação aos crimes cometidos por Bolsonaro e isso faz com que cada dia que passe ele estique mais a corda”, aponta. 

Há algumas semanas, tem se intensificado nas redes sociais vídeos e publicações convocando apoiadores do governo Bolsonaro para manifestações contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF), instituições frequentemente atacadas pelo presidente da República. Kataguiri acredita que em 7 de setembro, feriado da independência e dia que acontecerão os atos pró-governo, o presidente vai se manifestar de alguma forma. “Não duvido que ele vai fazer alguma gracinha: subir em um tanque, lançar alguma nota, alguma medida mais polêmica, alguma demonstração de força para o público mais radicalizado”.  

Para Kataguiri, os diversos ataques de Bolsonaro contra o Estado Democrático de Direito são provas de que a saída do mandatário do governo não será algo pacifico. “Ele descredibiliza a todo momento o processo eleitoral, as outras instituições, tudo que não é e não está submetido ao seu processo de poder, Bolsonaro tenta destruir e descredibilizar. Seja via impeachment, seja em eleição, ele dá todas as mostras de que não vai sair pacificamente”, avalia.

Para se posicionar contrário aos arroubos autoritário de Bolsonaro e a deterioração da economia, o MBL está convocando um ato para o próximo dia 12, em todo país.

Assista a entrevista completa:

Wanessa Alves

Estudante de jornalismo na Universidade de Brasília (UnB) e estagiária no Regra dos Terços. 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: