fbpx

Fundos de Investimento Imobiliário: porque eu gosto tanto

Fundos de Investimento Imobiliário: porque eu gosto tanto
(Foto: Pixabay)

Olá querido leitor/querida leitora! Tudo bem com você e sua família? O mercado de renda variável brasileiro definitivamente engatou um canal de alta, recompensando os investidores mais pacientes – como de costume. Na coluna de hoje, pretendo expor alguns motivos do porquê eu gostar tanto de uma classe específica de ativos de renda variável: os FII’s – Fundos de Investimento Imobiliário. Todas as minhas colunas anteriores podem ser acessadas nesse link aqui.

Não é de hoje que os leitores mais assíduos dessa coluna ouvem falar dos FII’s. Entre os pequenos investidores pessoa física, essa classe é uma das mais populares, já que alia altos rendimentos à cultura de renda imobiliária comum aos brasileiros. E bons motivos não faltam, como você poderá ver na sequência:

  • Os rendimentos dos FII’s, são, por lei, isentos de imposto de renda, já começando com vantagem sobre os aluguéis de imóveis físicos;
  • As cotas da grande maioria dos FII’s negociados em bolsa possuem alta liquidez, ou seja, comprar ou vender parte do seu patrimônio de renda imobiliária é muito mais fácil e rápido se comparado a um imóvel físico – é praticamente impossível vender um imóvel de um dia para o outro, algo mais do que comum para os FII’s;
  • Os FII’s possuem taxas de rendimentos bem superiores aos aluguéis de imóveis físicos. Por exemplo, um imóvel residencial bem localizado em uma grande capital brasileira resulta, de forma líquida, um rendimento mensal entre 0,3% a 0,5% do seu valor nocional, ao passo que FII’s com taxas acima de 1% ao mês se tornam cada vez mais comuns;
  • A possibilidade de diversificação geográfica e entre tipos de imóveis – galpões logísticos, lotes residenciais, escritórios, shoppings e até mesmo hospitais – é acessível ao investidor de FII’s, algo que é quase impensável para um investidor de baixo patrimônio no mercado imobiliário tradicional;
  • Ganhos de capital na venda das cotas são possíveis, e até mesmo maiores, se comparadas à venda de um imóvel físico;
  • A maioria dos FII’s distribui seus rendimentos mensalmente, o que aproxima a experiência de um investidor tradicional para o investidor de FII’s. Além disso, esse ganho regular estimula a disciplina para aportar mensalmente em novas cotas de FII’s.

E você, já inclui esse ativo em sua carteira? Como tem sido a experiência de investir em FII’s? 

Até a próxima semana!

Henrique Costa

Henrique Costa é engenheiro eletricista formado pela UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Atua no setor industrial e de energias renováveis há cerca de 10 anos. Entusiasta do mundo dos investimentos, aprendeu desde cedo que poupar e investir é um dos melhores caminhos para se atingir os objetivos da vida. No Regra dos Terços é autor da coluna “Pra que investir?”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: