fbpx

Pureza: a mãe que mudou o Brasil para salvar o filho da escravidão nos anos 90

Pureza: a mãe que mudou o Brasil para salvar o filho da escravidão nos anos 90
Filme Pureza retrata a vida de uma mãe que lutou para libertar o filho da escravidão (Foto: Divulgação)

Em 2021 foram realizadas 443 operações para combater o trabalho análogo à escravidão no Brasil, o que resultou em 1.937 resgates. O número é o maior desde 2013, segundo o sistema de combate à escravidão no Brasil. Criado em 1995, o sistema é resultado da luta de uma mãe maranhense, que teve o filho caçula, Antônio Abel, escravizado e lutou durante três anos para resgatá-lo. Trata-se de Pureza Lopes Loyola, uma mulher humilde, com pouco estudo, que se colocou na linha de frente no combate ao trabalho escravo no Brasil.

Pureza é o tema do filme estrelado pela atriz Dira Paes, que está em cartaz nos cinemas de todo o país e leva o nome da ativista. A trama consegue te colocar no seio da família de Pureza, que vivia em uma realidade extremamente precária junto com seus filhos.

Pureza: a história por traz da tela

Pureza Lopes Loyola nasceu na cidade Presidente Juscelino, município a 85 km de São Luis, no Maranhão. Separada do marido, Pureza criou os cinco filhos em Bacabal, a 240 km da capital. Com os filhos, trabalhou em uma olaria. Pureza foi alfabetizada somente aos 40 anos, para ler a Bíblia. A promessa de mudança de vida através do garimpo ilegal, tirou Abel de casa, em 1993.

Em busca do caçula, Pureza foi trabalhar como cozinheira em fazendas escravagistas para recolher informações que a levassem ao paradeiro do filho. Nos locais, ela viu de perto o sofrimento das vítimas, que tinham seus documentos de identidade confiscados pelos escravagistas, que cobravam valores exorbitantes pela alimentação e dormitório dos trabalhadores. Com o uso de armas, os bandidos impediam que os homens saíssem dos locais, sob a desculpa de que eles estavam devendo pelos produtos usados. Quem tentava fugir e era capturado ou reclamava das condições, era morto ou torturado.

Quando conseguiu fugir do local, Pureza recebeu ajuda da Comissão Pastoral da Terra (CPT), que a ajudou a contactar o Ministério Público e o Ministério do Trabalho no Maranhão e foi assim que se iniciou a luta contra o trabalho análogo à escravidão no Brasil.

A trama te prende do início ao fim. Com a ambientação sonora típica do cinema brasileiro, em alguns momentos a fotografia rememora um documentário do maior requinte. Esse, sem dúvidas, é um dos melhores filmes dos últimos anos, não apenas pela qualidade artística, que é fenomenal, mas também pela maneira que o tema é abordado.

Não à toa, o filme Pureza foi vencedor de 28 prêmios nacionais e internacionais e é a grande aposta do Brasil para o Óscar de 2023, na categoria Melhor Filme Estrangeiro.

As premiações da trama fazem jus a sua protagonista. Pureza Lopes Loyola foi reconhecida internacionalmente e recebeu, em 1997, o Prêmio Antiescravidão da organização não governamental britânica Anti-Slavery International, a mais antiga organização de combate ao trabalho escravo em atividade no mundo.

Erick Mota

Jornalista com passagem em grandes veículos de comunicação, como RICTV Record e Congresso em Foco. Foi repórter de rede da Band, Bandnews TV e rádio BandNews FM, em Brasília. Fundador do Regra dos Terços, é host do Podcast Distraídos.

Deixe uma resposta

7 desafios que um governo de esquerda enfrentará na Colômbia 10 fatos sobre a varíola dos macacos Corpus Christi: uma das festas mais tradicionais do catolicismo
%d blogueiros gostam disto: