OPOSIÇÃO VAI APRESENTAR PEDIDO COLETIVO DE IMPEACHMENT CONTRA BOLSONARO NA SEMANA QUE VEM

A oposição vai apresentar na próxima quarta-feira (30) um novo pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. O novo pedido é assinado por partidos, parlamentares de esquerda, centro, direita, entidades, movimentos sociais e pessoas físicas.

A decisão pela apresentação do pedido coletivo de impeachment foi tomada nesta quinta-feira (24), em reunião virtual. O pedido inclui o conjunto de crimes cometidos pelo presidente desde que tomou posse em 2019, sendo a maioria os crimes cometidos durante a pandemia. No último sábado (19), o Brasil atingiu a marca de meio milhão de mortes pela Covid-19.

Foto: Lula Marques/PT

O pedido conjunto agrupa mais de uma centena de iniciativas apresentadas junto à Câmara dos Deputados por partidos, parlamentares, associações profissionais, entidades de classe e pessoas físicas, por diversos motivos, desde a posse de Bolsonaro.

Bolsonaro foi alvo de manifestações no último fim de semana em todo Brasil. Entre as pautas dos protestos estavam o impeachment e a necessidade urgente de vacinação da população contra o coronavírus. Bolsonaro está cada vez mais pressionado pelo agravamento da pandemia de coronavírus, pelo atraso na vacina e pelos trabalhos da CPI da Pandemia no Senado.

Nesta quarta-feira (23), o senador e vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), revelou que as investigações da comissão mostraram indícios de corrupção do governo federal na compra da Covaxin, o imunizante indiano produzido pela farmacêutica Bharat Biotech. O superfaturamento dos imunizantes chega a 1.000%. 

“O Governo não deixou ‘somente’ de comprar a vacina em dezembro, mas escolheu comprar vacina superfaturada antes da autorização da Anvisa. Gastamos 10x mais e perdemos ainda mais vidas! Estamos indo rapidamente de omissão à ação em favor da morte!”, disse o senador em publicação no Twitter.

Integrantes da CPI receberam informações de que o presidente teria sido alertado pessoalmente sobre irregularidades na compra da vacina Covaxin.

Segundo o relato que chegou à CPI, esse aviso foi feito pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), irmão do chefe do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda. O deputado ainda denunciou à CPI a pressão da pasta para favorecimento da Precisa Medicamentos, representante da desenvolvedora da vacina, Barath Biontech, no Brasil.

Uma pesquisa Ipec divulgada nesta quinta-feira (24) mostra que  a aprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) caiu de 28%, em fevereiro, para 23%, em junho. Já a desaprovação subiu de 39% para 50% no mesmo período.

Além de parlamentares e partidos políticos, integram o grupo à frente da organização do pedido e da mobilização entidades como Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), Movimento Brasil Livre (MBL), Federação Nacional de Estudantes de Direito (Fened), Coalização Negra por Direitos, Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), Coletivo de Favelas, Central de Movimentos Populares (CMP), União Nacional dos Estudantes (UNE), Coletivo de Advogados e Central Única dos Trabalhadores (CUT), entre outras.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: