fbpx

Invasão à Ucrânia ocorreu depois de ataque hacker da Rússia

Invasão à Ucrânia ocorreu depois de ataque hacker da Rússia

Durante coletiva de imprensa após a invasão à Ucrânia, o encarregado de negócios do país no Brasil, Sr. Anatoliy Tkach, afirmou que “a invasão russa viola a integridade nacional da Ucrânia e é uma grave violação da Carta das Nações Unidas, bem como das normas complementares do direito internacional”. A Ucrânia esperava uma ofensiva da Rússia desde semana passada, quando houve um ataque hacker aos sites e recursos das autoridades ucranianas.

Ao ser questionado se o governo ucraniano entrou em contato com o Brasil nas últimas horas, o encarregado titubeou e não especificou o momento da última conversa, dizendo apenas que a Ucrânia mantém “contato constante” com o país. “Estamos esperando que o Brasil condene esse ataque russo contra a Ucrânia. O que nós esperamos de todos os países é a condenação do ataque russo e ajuda humanitária para o nosso país”.

O tipo de contribuição que o governo ucraniano espera do Brasil também foi outro ponto citado pelo encarregado da Ucrânia. Segundo Tkach, “primeiro, o que nós precisamos é chamar o agressor como ele é e caracterizar suas hostilidades.” No entanto, questionado sobre sanções econômicas específicas, o encarregado alegou desconhecer essas medidas e que quaisquer iniciativas dependem do governo brasileiro.

Em relação à declaração de solidariedade à Rússia, feita pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) durante visita ao país, Anatoliy Tkach afirmou que Bolsonaro retirou a posição de apoio à Rússia e que o Brasil manifestou-se solidário à Ucrânia após a invasão. “Estamos esperando que o presidente do Brasil equilibre a visita à Rússia com uma visita à Ucrânia, quando o espaço aéreo for liberado e quando conseguirmos cessar o conflito o mais rápido possível”. No momento, a ajuda humanitária com recursos e armas chega até a Ucrânia pelas estradas, devido ao risco dos bombardeios repentinos realizados pela Rússia.

“Nossos defensores estão prontos para proteger o estado ucraniano do agressor russo, mas ao mesmo tempo, a Ucrânia está aplicando ações diplomáticas com nações aliadas. Esperamos de nossos parceiros que ativem imediatamente um novo pacote de sanções e continuem fortalecendo a capacidade de defesa do nosso país, fornecendo armas e recursos para proteção”, afirmou o encarregado.

Letícia Fortes

Estudante de Jornalismo na PUCPR e estagiária do Regra. Escrevo para evidenciar e esclarecer assuntos que exigem nossa atenção, pois essa é minha forma de defender uma comunicação humanizada, acessível e engajada socialmente.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: