fbpx

Mendigo de Brasília beija influencer famosa e é usado como medalha por “guru financeiro”

Mendigo de Brasília beija influencer famosa e é usado como medalha por “guru financeiro”
Givaldo Alves beijando a influencer Grazi Mourão (Foto: reprodução)

Que no mundo existem pessoas dispostas a tudo por fama e dinheiro, todos sabemos, mas a história do Mendigo de Brasília demonstra que o ser humano pode ser ainda mais baixo do que imaginávamos. Givaldo Alves tem sido usado como troféu para engajar nas redes e, em pouco tempo, será usado para fazer fortunas para um milionário. Quer apostar?

Vídeos da influencer Grazi Mourão beijando o Givaldo têm viralizado na internet. Primeiro, antes de seguir, é importante ressaltar que o homem que ficou conhecido como Mendigo de Brasília é um cidadão, como qualquer outro, que tem o direito de ir a festas, beijar na boca e ter relações consensuais com todas as pessoas que quiserem o mesmo. E quem, genuinamente, quiser estar com ele, deve estar.

Porém, a podridão está na tentativa incessante de lucrar, seja com likes ou dinheiro, com a história de um homem que está visivelmente debilitado. Por mais que Givaldo Alves se diga feliz e realizado e tenha uma oratória que surpreendeu a muitos, ele até pouco tempo era uma pessoa em situação de rua, o que, por óbvio, gera traumas que não são facilmente superados.

Algum dos aproveitadores de plantão se dignou a levar o homem para um acompanhamento psicológico e psiquiátrico? Ele sofre de algum transtorno? Tirar um homem das ruas e coloca-lo em festas de luxo regadas a bebida e – possivelmente – drogas é um caminho positivo para ele?

A verdade é que para essas pessoas nada disso importa. Existe até um guru financeiro, que não iriei divulgar o nome para não dar palco a malandro, que deu uma casa ao Givaldo, tem levado ele para as festanças e, para a surpresa de zero pessoas, disse que o transformou em um aluno do seu super curso de gestão de finanças.

Aposto com vocês que em pouco tempo esse mesmo homem vai demonstrar quanto um morador de rua ficou rico com suas dicas e vai vender muitos cursos sobre isso, iludindo as pessoas de que basta seguir um passo a passo que a magia acontece. Ele vai injetar capital para que essas pessoas possam realmente ter as mesmas chances que Givaldo? Não.

Como vai ficar o psicológico desse homem? Pouco importa. Como está a estrutura emocional dele? Não é da conta de ninguém. É exatamente isso que pensam os aproveitadores de plantão. Fico feliz por uma pessoa em situação de rua ter a oportunidade de recomeçar e triste ao mesmo tempo, por não ver ações genuínas para ajuda-lo, pelo contrário. Como diria Chorão: “quem é de verdade sabe quem é de mentira”.

Erick Mota

Jornalista com passagem em grandes veículos de comunicação, como RICTV Record, Gazeta do Povo e Congresso em Foco. Foi repórter de rede da Band e Bandnews TV e rádio BandNews FM, em Brasília. Fundador do Regra dos Terços.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: