fbpx

Nova chacina policial no RJ já soma 19 mortos

Nova chacina policial no RJ já soma 19 mortos
Foto: Voz das Comunidades

Uma operação das polícias civil e militar contra roubos, no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, na última quinta-feira (21), já soma 19 mortos. Entre os assassinados estão duas mulheres, um policial e 15 suspeitos, de acordo com a polícia.

A ação, que segundo o levantamento do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense já é considerada como a 5ª mais letal da história do Rio de Janeiro, contou com 400 agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais da Polícia Militar (Bope) e da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (Core), além de 4 helicópteros e 10 veículos blindados. De acordo com entrevista cedida ao G1, a munição do Bope acabou em apenas duas horas de operação.

O alvo da ação era uma quadrilha de roubo de veículos e de acordo com a polícia só houve confronto porque os suspeitos reagiram. “Infelizmente, eles escolheram atingir os policiais”, disse o subsecretário operacional da Polícia Civil, Ronaldo Oliveira na coletiva de imprensa. A polícia também afirma que os criminosos que entraram em confronto vestiam fardas similares às de policiais militares e civis.

A PM informou que foi apreendido uma metralhadora .50, quatro fuzis, duas pistolas na operação e 48 motos.

Quem são as vítimas

Morreram na ação 19 pessoas, incluindo duas mulheres e um PM. Solange Mendes, de 49 anos, uma das vítimas chegou a ser socorrida e levada para o Hospital Estadual Getúlio Vargas após ser baleada, porém ela não resistiu aos ferimentos. A polícia diz que a mulher foi encontrada alvejada depois de uma das bases da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Nova Brasília ser atacada por criminosos. Eles negam que tenha tido confronto com agentes no local.

Outra vítima foi Letícia Marinho Sales, de 50 anos, que morreu após ser baleada enquanto passava de carro com o namorado em uma das principais ruas do Complexo do Alemão. Ela foi alvejada por um policial quando eles pararam num sinal, diz o namorado que também estava no veículo. Letícia era pastora e deixou três filhos e duas netas.

Um policial militar identificado como Bruno de Paula Costa também foi uma das vítimas da operação. Ele estava na polícia desde 2014 e trabalhava em uma UPP quando foi atingido no pescoço. Costa era casado e deixou dois filhos com diagnóstico de transtorno de espectro autista.

Rafaela Moreira

Jornalista, repórter do Regra dos Terços e diretora de programas de televisão na TV Band e na Rede Super.

Deixe uma resposta

La Brea da vida real Macabras pedras da fome surgem na Europa 3 músicos independentes que você precisa conhecer O que você não sabe sobre povos indígenas ​9 curiosidades sobre seu gato
%d blogueiros gostam disto: