O “C” DA QUESTÃO: GERAÇÃO Z APONTA QUE SOMOS TODOS CRINGE

Infelizmente, nós do Regra dos Terços não temos uma notícia muito animadora para vocês, queridos leitores. É, infelizmente essa fase chegou antes do esperado e acomete uma grande parte da população. Sim, segundo a Geração Z, se você fala “boleto”, diz que vai “tomar café da manhã” e usa calça skinny, você é cringe, ou seja, você é velho(a).

Segundo constatações dos integrantes da geração Z (os jovens que nasceram entre o fim da década de 90 e 2010), somos velhos e fazemos coisas que causam vergonha alheia aos jovens. A nova gíria já era usada em redes sociais, mas não era tão conhecida. Nas duas últimas semanas o termo ganhou destaque em todas as redes sociais e entrou na lista dos assuntos mais pesquisados do Google. A grande maioria das buscas é para saber o que é cringe

Tudo começou quando a publicitária e uma das apresentadoras do podcast Imagina Juntas, Carol Rocha, pediu aos seguidores, em uma publicação no Twitter, que os “xóvens” listassem hábitos dos millenials que eles consideram cringe. 

Obs.: Millenials são as pessoas que nasceram entre a década de 80 e 1995.

E as respostas foram as mais variadas…

Até a nossa amada piada da “pifaizer” entrou na lista exclamação, exclamação

Mas afinal, o que quer dizer Cringe? 

Na internet, a definição de quem é ou não cringe gerou uma certa disputa entre as gerações Z e millennials. A brincadeira rendeu muitos memes, vídeos e uma dúvida: qual o real significado da palavra? 

A professora de inglês do colégio Marista Anjo da Guarda, Gabriela Tadano, explica: “Cringe é um verbo que significa você se afastar de algo porque você tem medo. Mas, informalmente, ele começou a ser usado também como uma coisa que te faz sentir vergonha alheia”.

Para a coordenadora de Internacionalização do Colégio Marista Anjo da Guarda, Tatiana Salomão, a brincadeira é válida, pois o conflito entre gerações é algo natural e saudável, mas deve prevalecer o equilíbrio e o respeito. “Não é possível se encaixar em todas as tendências, modas e novidades. Classificações à parte, é importante fazer o que faz bem para você e sempre respeitar o outro, seja tomando café ou não”, relata.

O uso informal internet afora mudou até mesmo a classe gramatical da palavra. Do jeito que é aplicado pelos jovens, o verbo virou adjetivo. “Gramaticalmente, está errado. O adjetivo existe, é cringey. O certo seria, então, dizer ‘ah, aquele vídeo é cringey’”, pontua a professora Gabriela.

O uso correto do verbo também existe no TikTok. São comuns conteúdos de pessoas caindo ou dançando acompanhados de legendas como “Try not to cringe” ou “I’m cringing so hard right now”. Algo como “tente não morrer de vergonha disso” ou “isso é constrangedor demais”.

De uma coisa temos certeza, o importante é se sentir bem vestindo, ouvindo ou assistindo o que gosta sem medo de ser cringe.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: