O NEGACIONISMO DO GOVERNO DO PRESIDENTE JAIR BOLSONARO

Em março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou pandemia de covid-19, doença sobre a qual até então pouco se sabia o que poderia causar no organismo do paciente infectado e muito menos as sequelas que poderiam surgir após a recuperação. No Brasil, uma onda de Fake News e negacionismo científico estava prestes a tomar proporções inimagináveis. O presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido) começou a negar a gravidade da doença e negligenciar os pedidos de uso de máscara, distanciamento social e demais cuidados que deveriam ser tomados para evitar a propagação do vírus.

Na pasta da Saúde, em pouco mais de um ano, quatro ministros já passaram pelo comando do Ministério mais importante no momento. A propaganda de automedicação como “tratamento precoce”, totalmente contra indicada por médicos e especialistas, feita por Bolsonaro e apoiada por outros integrantes do governo, causou a complicação de inúmeras pessoas que estavam infectadas pela doença.

Assista ao documentário: Meio milhão de sonhos perdidos

Leia mais: Pandemia vai deixar cicatrizes físicas, psicológicas e econômicas

Leia também: Brasileiros no exterior falam sobre situação da pandemia em outros países

Veja também: Covid-19 matou em 15 meses o equivalente a 6 Maracanãs lotados

Saiba mais: Um retrato do luto em tempos de pandemia

No entanto, o mesmo governo que negligencia e ora fala que está fazendo o possível no enfrentamento contra a covid-19 que matou 500 mil pessoas no Brasil, é o mesmo que não respondeu às inúmeras ofertas de vacina contra a doença mais letal de todos os tempos. E é o mesmo que aceitou em tempo recorde a oferta da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) para realizar a Copa das Américas no Brasil, país em que a vacinação caminha a passos lentos. 

O Regra dos Terços separou algumas das falas do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, sobre a pandemia de coronavírus no Brasil durante o último ano.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: