OPERAÇÃO SANGRIA: PF INVESTIGA DESVIO DE VERBAS DO COMBATE À COVID-19 NO AMAZONAS

Na manhã desta quarta-feira (2), a Polícia Federal (PF) fez buscas contra o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC) e cumpriu mandado de prisão contra o  secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo. A investigação recebeu o nome de Operação Sangria e investiga possíveis fraudes em licitações hospitalares, formação criminosa e desvio de recursos públicos do enfrentamento à covid-19. 

Segundo nota publicada pela Comunicação Social da Polícia Federal no Amazonas, as investigações da PF apontam que há indícios de contratação fraudulenta feita por funcionários do alto escalão da Secretaria de Saúde do Estado favorecendo grupo de empresários da região na construção do Hospital de Campanha Nilton Lins, em Manaus, sob orientação do Governo do Amazonas. 

Foto: Divulgação/Polícia Federal

“Verificou-se, ainda, que contratos das áreas de conservação e limpeza, lavanderia hospitalar e diagnóstico por imagem, todos os três firmados em janeiro de 2021 com o Governo do Amazonas, cujos serviços são prestados em apoio ao hospital de campanha, contêm indícios de montagem e direcionamento de procedimento licitatório, prática de sobrepreço e não prestação de serviços contratados”, diz a PF em nota. 

Se comprovado os crimes, os acusados poderão responder pelos crimes de fraude à licitação, peculato e pertencimento a organização criminosa e, se condenados, poderão cumprir pena de até 24 anos de reclusão.

Em junho de 2020, Wilson Lima também foi alvo da operação que, à época, investigava o superfaturamento na compra de respiradores que seriam usados no combate a covid-19. Na mesma operação, a então secretária da Saúde, Simone Papaiz, foi presa.  

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: