fbpx

Porrada, ameaças de morte e xingamentos marcam cassação de Arthur do Val

Porrada, ameaças de morte e xingamentos marcam cassação de Arthur do Val
Comissão de Ética da Alesp aprovou por unanimidade pedido de cassação de Arthur do Val (Foto: reprodução / Alesp)

O deputado estadual Arthur do Val (UNIÃO) é alvo de um pedido de cassação aprovado no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Acusado de se aproveitar da pobreza de mulheres ucranianas para tentar obter relações sexuais, o membro do Movimento Brasil Livre (MBL) riu durante a sessão, enquanto deputados relembravam suas falas.

No início da sessão, o ex-assessor de Arthur, Renato Battista, agrediu o também ex-funcionário do deputado Gil Diniz (PL), Rafael Feltrin, com um soco no olho. Battista, que é ligado ao MBL, foi provocado por Feltrin, que, enquanto filmava, falou que ele ficaria desempregado e foi alvo da agressão.

Leia também: Arthur do Val, Gabriel Monteiro, Renan Santos, práticas sexuais horrendas e o fim do MBL

Alguns apoiadores de Arthur do Val estão ao lado de fora da Alesp e, segundo deputados de São Paulo, o clima era de violência. Deputados também relataram terem recebido ameaça de morte de apoiadores de Do Val via redes sociais e e-mail.

Arthur afirmou que sua cassação se deu por ser odiado dentro da Alesp por combater privilégios dos deputados e assessores. Apesar da defesa, ele disse que errou e que pede desculpas por isso. “Eu errei, ponto final. Quero pedir desculpas principalmente às mulheres ucranianas que estão aqui. Agora, vamos ser sinceros. Todo mundo sabe que esse processo de cassação não é pelo que eu disse, mas por quem disse. A verdade é que todos aqui me odeiam. Esse processo não é pelos meus defeitos, mas por minhas virtudes”, disse Arthur antes de listar os projetos que votou contra e que teriam irritado os pares.

O relatório do Delegado Alim (PP), que pedia a cassação do deputado estadual, foi aprovado por unanimidade. O processo seguirá agora para votação em Plenário em forma de projeto de lei. Para ser consolidada a perda de mandato, serão necessários 94 votos favoráveis.

O Movimento Brasil Livre (MBL) é o berço de Arthur do Val. Além dele também o vereador carioca Gabriel Monteiro (PL), que fez parte do movimento, também pode perder o mandato, neste caso por ter filmado cenas de sexo com uma menor de idade, dentre outras acusações.

Leia também: Vídeo de Gabriel Monteiro beijando e acariciando criança de 10 anos viraliza

Erick Mota

Jornalista com passagem em grandes veículos de comunicação, como RICTV Record, Gazeta do Povo e Congresso em Foco. Foi repórter de rede da Band e Bandnews TV e rádio BandNews FM, em Brasília. Fundador do Regra dos Terços.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: