fbpx

SERIAL KILLER: ENTENDA A ORIGEM DO TERMO QUE DEFINE O CRIMINOSO LÁZARO BARBOSA

SERIAL KILLER: ENTENDA A ORIGEM DO TERMO QUE DEFINE O CRIMINOSO LÁZARO BARBOSA

O termo serial killer está sendo muito usado nestes últimos dias, principalmente sobre o caso do assassino foragido, Lázaro Barbosa de Souza, 32 anos, que invadiu uma chácara no Incra 9, em Ceilândia (DF), manteve em cativeiro e matou quatro pessoas da mesma família: Cláudio Vidal, 48 anos, e os dois filhos, Carlos Eduardo Vidal, 15 anos, e Gustavo Vidal, de 21. A mãe e esposa, Cleonice Marques de Andrade, 43, foi sequestrada e encontrada morta no Córrego da Cascalheira entre a BR-070 e a DF-180. Até o momento desta matéria, Lázaro não foi capturado e segue há onze dias sendo perseguido pela polícia.

Mas você sabe de onde veio esse termo “seria killer”? Acredita-se que essa nomenclatura teve origem a partir de estudos feitos pelo Federal Bureau os Investigation (FBI), Robert Ressler, no começo dos anos 1970.

Reprodução/PMDF

A origem das pesquisas

Na intenção de entender melhor a mentalidade dos assassinos mais famosos da época, foi criada uma Unidade de Ciência Comportamental (UCC) do FBI, que era especializada em traçar os perfis psicológicos dos criminosos. Esses perfis seriam usados para identificar os possíveis assassinatos que apresentavam o mesmo modus operandi, ou seja, o mesmo modo de execução. Em 1972, coordenada por Patrick Mullany e Howard Teten, a UCC foi a percussora do perfilamento criminal (criminal profilling), que é uma técnica utilizada até hoje para analisar o perfil físico e comportamental dos assassinos em série.

Assassinos como Charles Manson, Edmund Kemper, Ted Bundy e John Wayne Gacy, estavam fazendo história no mundo dos serial killers no final da década de 60, com suas vítimas e seus crimes chocantes. A UCC trabalha arduamente na tentativa de identificar padrões estabelecidos nos assassinatos mais violentos dos EUA.

Serial killers no Brasil

No Brasil, esse termo serial killer começou a ser utilizado cerca de 20 anos depois de sua definição. A polícia brasileira sempre investigou esse tipo de caso onde assassinos exercem o mesmo modus operandi, mas ainda não tinha um nome específico para identificar esses indivíduos.

O primeiro serial killer brasileiro registrado foi o ex-escravo, Preto Amaral. Liberto pela Lei Áurea aos 17 anos, Preto chegou a se alistar no exército e lutar a guerra dos Canudos, mas desertou, sendo condenado a sete meses de prisão.

Depois dessa primeira prisão, não conseguia emprego fixo e mudou-se de Minas Gerais para São Paulo. Mas sua vida mudaria drasticamente em 1927, ao ser preso acusado por três homicídios.

Divulgação / Youtube / Dra. Plague Asylum

Assim como determina um dos principais pilares da persona dos serial killers, Amaral tinha uma metodologia para atrair suas vítimas: oferecia pequenos serviços ou refeições para meninos pobres, depois os levava para locais desertos, executava e praticava necrofilia com os corpos das vítimas. Amaral teria confessado pelo menos três crimes e, de acordo com as investigações da época, a primeira vítima teria sido encontrada na zona norte de São Paulo e tinha 27 anos.

Amaral foi preso apenas depois de tentar cometer seu quarto assassinato, um engraxate de 9 anos. No momento do estrangulamento do garoto, o criminoso teria escutado vozes e abandonado a vítima embaixo de um viaduto. Amaral foi preso por essas acusações, mas outros crimes semelhantes continuaram acontecendo. Preto Amaral faleceu pouco tempo depois, antes de seu julgamento, devido uma tuberculose.

O caso Lázaro

Lázaro Barbosa de Sousa se tornou um nome que não vai ser esquecido tão cedo na história de crimes brutais brasileiros. Aos 32 anos, apresenta uma extensa ficha criminal desde 2007 contendo assassinatos, sequestros, estupros e roubos. Foragido há 11 dias, depois de uma chacina em Ceilândia, no Distrito Federal, cerca de 500 policiais militares e civis do Distrito Federal (DF) e de Goiás estão à procura do acusado de assassinar quatro pessoas da mesma família no DF.

Em 9 de junho, Lázaro Barbosa de Souza, 33 anos, invadiu uma chácara no Incra 9, em Ceilândia (DF), manteve em cativeiro e matou quatro pessoas da mesma família: Cláudio Vidal, 48 anos, e os dois filhos, Carlos Eduardo Vidal, 15 anos, e Gustavo Vidal, de 21. A mãe e esposa, Cleonice Marques de Andrade, 43, foi sequestrada e encontrada morta no Córrego da Cascalheira entre a BR-070 e a DF-180.

Lázaro roubou um carro em uma chácara e fugiu para a cidade goiana Cocalzinho (GO), onde há nove dias policiais concentram as buscas pelo criminoso. Segundo amigos e familiares de Lázaro, em entrevista ao jornal Correio Braziliense, ele conhece a mata da região muito bem, pois além de ter trabalhado como vaqueiro na região, também costumava fazer armadilhas para capturar animais.

As buscas por Lázaro Barbosa ficaram nacionalmente conhecidas após os últimos crimes cometidos, no entanto, a ficha criminal dele é extensa. O primeiro crime registrado em 2007 foi cometido em sua cidade natal, Barra do Mendes (BA), quando violentou uma jovem e assassinou dois trabalhadores rurais que tentaram defender a vítima. Em 2009, foi preso por roubo e estrupo em uma chácara em Sol Nascente (DF) e enviado para o Complexo Penitenciário da Papuda, no DF.

Após ter sido liberado para o saída de Páscoa, ele não retornou para o presidio e continuou cometendo diversos crimes brutais: estupros, roubos, sequestros e assassinatos. Lázaro também já foi preso mais duas vezes e fugiu da cadeia nas duas situações.

Confira a linha do tempo dos crimes de Lázaro, o serial killer de Goiânia:

Ilustração: Eli Nunes/Regra dos Terços

Eline Carrano

Jornalista por profissão, cronista por opção e neta coruja. Escrevo porque preciso justificar as ansiedades que o tarja-preta não dá conta.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: