Editais do Sesc PR 2019

O Sesc PR está com editais abertos para 2019 na área de música, artes visais e artes cênicas. O ArteSesc 2019 seleciona projetos de artes visuais para o Sesc Caiobá, Foz do Iguaçu, Guarapuava e Pato Branco. As propostas de exposição podem ser individuais ou coletivas e devem ser de autoria própria. Elas devem ser compostas por uma exposição com duração máxima de dois meses, de acordo com calendário da Unidade; uma palestra com os expositores, com duração máxima de uma hora; e uma oficina artística prática. As inscrições vão até o dia 31 de janeiro de 2019, o edital está disponível no endereço: https://www.sescpr.com.br/wp-content/uploads/2018/12/Edital-completo_sem-anexos.pdf.

O Sesc Londrina Cadeião Cultural também está com edital aberto para o ArteSesc 2019, até o dia 31 de janeiro de 2019. A proposta deve contemplar as mesmas atividades. Serão selecionadas exposições para o Espaço Galeria, Corredores e Mezanino. O edital está disponível em https://www.sescpr.com.br/wp-content/uploads/2018/12/Artesesc-Cadeiao-Edital_sem-anexos.pdf.

O Projeto Sesc Encena 2019, seleciona projetos de artes cênicas (teatro, dança, circo e performance) para o Sesc Campo Mourão, Esquina, Londrina Cadeião Cultural, Paranavaí, Ponta Grossa e São José dos Pinhais. As propostas contempladas por esse edital são de apresentação artística e ação formativa de artes cênicas. Elas devem incluir uma apresentação de espetáculo com duração de 40 minutos, seguida de um debate ou bate-papo com duração máxima de uma hora e uma oficina temática. A ação formativa terá duração de quatro horas. As inscrições serão encerradas no dia 8 de fevereiro de 2019. Esse edital é destinado apenas a Pessoas Jurídicas e as informações estão disponíveis no endereço: https://www.sescpr.com.br/wp-content/uploads/2018/12/Edital-Sesc-Encena-2019.pdf.

O projeto Sesc Sonoro 2019 será realizado na unidade do Paço da Liberdade – Café do Paço. Serão selecionadas 17 propostas de apresentação musical com duração de uma hora, cada uma. As inscrições se encerram no dia 27 de fevereiro, e também são destinadas apenas a pessoas jurídicas. Mais informações estão disponíveis no edital: https://www.sescpr.com.br/wp-content/uploads/2018/11/Apresentacao-de-Selecao-Sesc-Sonoro-Cafe-do-Paco.pdf.

Serviço
Editais de cultura: https://www.sescpr.com.br/cultura/editais/
E-mail: cultura@sescpr.com.br

Projota vem a Curitiba

Complementando a diversidade da música brasileira, a Shed Western Bar Curitiba recebe nesta quinta-feira (25) o rapper Projota. No ano passado, o compositor e cantor brasileiro lançou seu segundo CD “A Milenar Arte de Meter o Louco”, e entre os sucessos mais recentes do cantor estão “Linda”, com participação de Anavitória, “Muleque da Vila”, “Ela Só Quer Paz” e “Oh Meu Deus”. A entrada para a atração nacional sai por R$ 25 para as mulheres e R$ 50 para os homens, com nome no mural do evento do Facebook, válido até 00h30: https://pt-br.facebook.com/events/244255759565371/

Na sexta-feira (26), a festa Vem Meu Bem é comandada por Mc Pedrinho. O funkeiro é dono dos hits “Nosso Amor”, “Amor”, “A Escolhida”, “Linda Morena”, “Eu Vou Te Pegar”, entre outros. A entrada fica por R$ 25 para as mulheres e R$ 40 para os homens com nome no mural do evento do Facebook, válido até 00h30: https://pt-br.facebook.com/events/171450773764187/

Sábado (27), é a vez da festa de Halloween da Shed, com dress code de fantasia ou all black. Todos que forem fantasiados ganham um shot na seringa e participam do concurso de melhor fantasia! A entrada fica por R$ 25 para as mulheres e R$ 40 para os homens com nome no mural do evento do Facebook, válido até 00h30: https://pt-br.facebook.com/events/2264148480487690/

Reservas na Shed Western Bar Curitiba podem ser feitas pelos telefones (41) 3022-7700 ou (41) 99166-6677. Mais informações sobre a programação pelas redes sociais da Shed (Facebook e Instagram) ou nos eventos oficiais.

AGENDA:
25.10 | Quinta-feira
Projota
Thiago Murilo
Entrada feminina R$25, e masculina R$ 50, com nome no mural do evento do Facebook, válido até 00h30:


https://pt-br.facebook.com/events/244255759565371/

26.10 | Sexta-feira | Vem Meu Bem
Mc Pedrinho
Marlon e Raphael
Entrada feminina R$25, e masculina R$ 40, com nome no mural do evento do Facebook, válido até 00h30:


https://pt-br.facebook.com/events/171450773764187/

27.10 | Sábado | Halloween
Ali e Rhuan
Luane Mattia
Entrada feminina R$25, e masculina R$ 40, com nome no mural do evento do Facebook, válido até 00h30:


https://pt-br.facebook.com/events/2264148480487690/

“Um novo olhar para a vida” é lançado na Livraria Cultura

Na próxima terça-feira (20), a partir das 19h, a Livraria Cultura, localizada no Shopping Curitiba, realiza o lançamento do livro “Um novo olhar para a vida”, de Gabriel Metzler, seguido de sessão de autógrafos.

Continue reading ““Um novo olhar para a vida” é lançado na Livraria Cultura”

Wilson Simoninha faz apresentação única e gratuita em Curitiba

O projeto musical “Conexão Shopping Curitiba” apresenta, no dia 28 de março, o cantor Wilson Simoninha. Ele já esteve no palco do shopping em 2013 e volta à capital paranaense para contar as novidades sobre a carreira e relembrar antigos sucessos. Continue reading “Wilson Simoninha faz apresentação única e gratuita em Curitiba”

Orun Ayê

(Imagem | HAI studio)

A partir deste mês, o projeto Paranambuco apresenta: Orun Ayê desenvolve uma série de ações com entrada gratuita para aproximar o público curitibano de ritmos tradicionais brasileiros. Serão promovidas três oficinas seguidas de pocket shows, além de seis shows do Paranambuco com participações especiais. Continue reading “Orun Ayê”

Selfie Desesperados [boca foi feita pra comer]

Fomos convidados pela Polarize Comunicação para assistir à peça Desesperados, com Marcus Majella, Pedroca Monteiro e Pablo Sanábio.  Essa é a estréia do programa Selfie!

 

 

Não exija cultura se você não apoia a cultura

Primeiramente: se você acha que viver da sua arte e da cultura é fácil, quero que reveja seus conceitos. Segundamente: o que você considera como cultura e qual a importância que ela tem para você?

Há dias estou com pensamentos como esses em minha cabeça, penso e repenso sobre determinadas posturas que a sociedade adota. Cultura, para mim, é um conjunto de crenças, jargões, manias e vivências de uma certa comunidade. Ela pode ser expressada através de filmes, músicas, desenhos, falas e palavras. Cultura é algo bem complexo e que precisa ser discutido. Ainda mais na sociedade brasileira atual, que há tempos enfrenta certos pré-conceitos sobre determinadas manifestações.

Tomemos como exemplo um show de uma banda muito legal, que você curte pra caramba e que, ainda, é de um amigo seu. Se ele te chamar pra um evento que vai rolar no fim de semana e que custa 10 reais a entrada, você vai? A resposta, infelizmente, é não. 10 reais é muito caro ou tenho compromisso ou a banda nem é tão boa assim… Mas, me descola um ingresso? Se rolar, quem sabe eu dê uma passada por lá.

PAUSA! Depois de todas as desculpas que nós inventamos, ainda estamos no direito de pedir alguma coisa para TALVEZ ir a um determinado lugar? Sério mesmo? Que pensamento é esse? Em primeiro lugar, a cogitação de ir ou não nem deveria existir, já que a banda é de um amigo e amigos são feitos para se apoiarem em bons e maus momentos. Certo?

É preciso ter em mente que nem toda arte será sempre gratuita. O apoio é necessário, seja ele financeiro ou moral. O moral, em minha opinião, nunca se iguala ao financeiro, aliás, ele é impagável. Elogios fortalecem, sabia disso? A presença também. E é por essas e tantas que continuarei batendo na teclinha do apoio cultural.

Cada pessoa possui uma maneira de se expressar. Alguns eternizam momentos em fotografias, outros em livros. E tudo é tão lindo, nossa adoro seu trabalho. Mas será que você pode me contar qual o final daquela história? É que to meio sem grana pra comprar teu livro na Amazon que custa MISERÁVEL 1 real e 99 centavos.

Tá vendo só como que é? Por mais que você tente, se esforce, dê o melhor de si, você vai continuar sendo um artista frustrado pelo simples fato de não ter o apoio nem daqueles que julgaram que você deveria fazer isso sim, porque sabe né? Você leva jeito. Tá e daí? Os livros não sairão sozinhos das prateleiras das livrarias – quando estão em uma – e as fotos não participarão de uma exposição em um museu de renome se ninguém as ver e enxergá-las como deveriam ser enxergadas.

A falta de apoio é desumano. A falta de apoio por parte dos teus amigos, então… é cruel demais. Esse assunto deveria ser abordado em casa e nas escolas, e não com o decorrer da vida, depois que estamos cansados das coisas. E tá tudo bem não ir ao show hoje, meu amigo vai entender. Terão outras oportunidades. Né?

CUIDADO! Essas outras oportunidades podem não vir a acontecer. E por quê? Porque depois de tanto descaso, depois de tanta insistência em querer divulgar aquilo que te faz feliz, depois de tanta persistência sem receber um parabéns sequer, os artistas acabam desistindo. Eles desistem do que amam por falta de compreensão e empatia dos outros. Eles desistem de uma vida porque não veem um futuro nela. Eles desistem deles mesmos, porque ninguém foi capaz de acreditar naquilo que os faziam bem.

Portanto, se você acha que viver da sua arte e da cultura é fácil, espero que você mude o seu conceito – e logo -, pois não é não. Mas mesmo com tantos obstáculos no meio do caminho, é uma delícia sentir o gostinho de quando conseguimos publicar um livro, ou ganhamos mais um admirador dos retratos fotografados, ou percebemos que determinada pessoa está sempre presente nos shows da minha banda.

O caminhar pode até ser difícil e complicado, mas que ele é gratificante, mesmo de um jeito completamente torto, isso é.

A arte de ler o prefácio

 Levei cinco anos para terminar de ler Dom Casmurro, clássico escrito por Machado de Assis, publicado em 1899 e considerado um dos livros mais fundamentais da literatura brasileira. Durante esse tempo tentei várias vezes fazer a leitura completa, visto a importância da obra, mas, por capricho, sempre desisti em qualquer capítulo.

 Meu primeiro contato com Dom Casmurro foi através de uma adaptação para a televisão intitulada Capitu, e só no ano seguinte fui apresentado ao livro nas aulas de literatura do ensino médio. Na história o protagonista e narrador, Bento Santiago, faz relatos desde sua mocidade até os dias em que está escrevendo o livro, passando pela sua vida no seminário e seu caso com Capitu, mas a trama principal da narração resulta do ciúme doentio em seu relacionamento.

 Nunca entendi muito bem porque ciúme, adultério e tragédia faziam aquela obra tão aclamada, até que certa vez, em mais uma de minhas tentativas de concluir a leitura, comecei pelo prefácio, discurso preliminar que expõe o motivo da obra e processos seguidos por ela, e dessa vez fui até o final.

 

 Apesar do meu descaso com a literatura eu quase sempre fui próximo das artes, já que aos os onze anos de idade passei a estudar no Conservatório Municipal de Arte da minha cidade. Frequentemente vou em museus, teatros e concertos, mas, ao contrário de mim, isso não é comum entre meus amigos, fato que eu sempre tentei entender e só consegui durante a faculdade.

 A arte, manifestação humana de ordem estética, acontece por meio de várias linguagens, como: arquitetura, escultura, pintura, dança, música, poesia e cinema (Manifesto das Sete Artes), através das quais são expressadas ideias e emoções de significado singular pra cada obra.

 A linguagem artística, assim como a linguagem verbal, possui um aspecto dinâmico e, mesmo obedecendo a certos princípios organizacionais, suas convenções variam conforme momento histórico e espaço social. Dado que, como meio de expressão, a arte dá forma às vivências humanas, conhecer seus códigos formais: gêneros, estilos, técnicas, temas, contexto, é o que possibilita sua compreensão de forma consciente.

 

 Depois de conhecer as influências literárias que levaram Machado de Assis a escrever Dom Casmurro, sua intertextualidade com Otelo de Shakespeare e o contexto histórico sobre o qual a obra foi construída, eu possuía as referências necessárias que me permitiram compreender a obra em sua totalidade e entender que sua composição não estava baseada em ciúme, adultério ou tragédia e sim em ironia, ceticismo e ambiguidade.

 Em suma, a capacidade de interpretação que um indivíduo possui a respeito dessa linguagem está diretamente relacionada ao domínio que se detém das referências necessárias à sua apreensão, e ainda que as práticas culturais populares sejam uma das principais fontes de familiarização da cultura, para muitas produções será necessário ler o prefácio.