fbpx

Transfobia contra Linn da Quebrada ganha correção tímida no BBB

Transfobia contra Linn da Quebrada ganha correção tímida no BBB
Linn da Quebrada é a segunda travesti a participar do BBB

Durante a noite do último domingo (23), o apresentador do programa Big Brother Brasil 2022 (BBB22), Tadeu Schmidt, chamou atenção dos jogadores para o pronome que devem usar ao se referir a Linn da Quebrada, travesti de 32 anos.

O apresentador perguntou o significado da tatuagem que fica na sobrancelha da cantora e ela explicou que tatuou “ela” em cima do olho, para que a mãe pudesse passar a chama-la pelo pronome feminino. “Eu fiz essa tatuagem por causa da minha mãe. Pois no começo da minha transição, ela ainda errava e me tratava no pronome masculino. E tatuei na testa para ela não errar. Na dúvida, leiam, pois quero ser tratada pelo pronome feminino”, disse a sister.

Os administradores das redes sociais da cantora já apontaram cinco casos de transfobia sofridos pela participante dentro do BBB. “Infelizmente, em poucas horas já assistimos pelo menos 5 episódios de violências transfóbicas. Nem mesmo as mais de 50 câmeras são capazes de inibir a transfobia sistêmica do Brasil”, disse em uma publicação no Twitter no último sábado (22), que finalizou lembrando que travestis merecem respeito, que Linn merece respeito.

Mesmo com o pronome “ela” tatuado na testa, a participante tem sido chamada no masculino por outros jogadores. Eslovênia, por exemplo, a chamou de “ele” e foi corrigida no mesmo momento por Linn. Naiara Azevedo tentou diminuir a luta de Linn da Quebrada e disse que Lina “não chegou ao reality como mulher nem como trans, mas que chegou como gente” e também precisou ser corrigida pela sister, que disse que chegou sim como travesti.

Em outro momento o participante Eliezer usou a expressão “mulher mesmo” e pronomes masculinos para falar de uma situação em que esteve em uma orgia e que tentou transar com uma “mulher mesmo”, mas que as travestis, as quais ele insistiu em chamar por pronomes masculinos, o deixaram desconfortável.

Mais tarde, Rodrigo relembrou o causo e disse não estar conseguindo dormir por lembrar do “pinto do traveco”. Repreendido por Vinícius e Maria, ele foi até Linn da quebrada perguntar se chamar travestis de traveco é ou não ruim. “Com certeza. Você não sente quando você diz?”, questionou a participante.

Em outro momento, a participante Laís enviou um torpedo anônimo, também se referindo a Linn da Quebrada com pronome masculino. Todos esses casos aconteceram em apenas três dias (de quarta a sábado). No Twitter, a audiência do programa exigiu que os participantes fossem advertidos. Somente neste domingo é que o assunto foi conversado com os brothers e sister. O apresentador Tadeu Schmidit pediu para que Linn explicasse a tatuagem da testa para que ninguém mais esquecesse.

“Primeiro uma pergunta para elas: quem aí está solteira? Agora uma pergunta para eles. Quem aí está solteiro? Linna, você tem o pronome ‘ela’ tatuado acima da sobrancelha. Queria saber como as pessoas devem tratar você”, perguntou Tadeu. Foi aí que Linn da Quebrada explicou que quer ser chamada pelo pronome feminino e que escreveu na testa para que sua própria mãe e todos os outros lembrassem.

Ao ir para o intervalo ele disse que havia sido uma “conversa importante”. E só.

Erick Mota

Jornalista com passagem em grandes veículos de comunicação, como RICTV Record, Gazeta do Povo e Congresso em Foco. Foi repórter de rede da Band e Bandnews TV e rádio BandNews FM, em Brasília. Fundador do Regra dos Terços.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: