fbpx

O que uma garrafa de vinho e um álbum da Adele têm em comum? Nós descobrimos

O que uma garrafa de vinho e um álbum da Adele têm em comum? Nós descobrimos
Foto: Canva

Por Alexandre de Oliver Faria, Amanda Faustino e Professor Dabliu. O vinho é uma bebida muito ligada emocionalmente às pessoas. Quem nunca atribuiu ao consumo do vinho a celebração de um momento importante ou simplesmente não afogou as mágoas ouvindo um álbum da Adele? A emoção, o aspecto em comum mencionado no título deste artigo, nos levou à ideia de utilizar um método chamado “Análise de Sentimentos” em nosso trabalho de conclusão de curso, na Graduação de Ciências Econômicas da Universidade Positivo. E queremos compartilhar nossas descobertas.

Historicamente o mercado de vinhos sempre teve um papel importante na economia, inclusive na antiguidade. No Brasil, a atividade da viticultura começou no período colonial, com a chegada da videira pelos colonizadores portugueses em 1532, por Martin Afonso de Souza, na Capitania de São Vicente, atual São Paulo. Portanto, nossa conexão com o vinho é longa.

Segundo dados disponibilizados pela empresa International Organization Vine and Wine (OIV), em 2018 o Brasil ocupava a 17° posição no ranking de consumo de vinho mundial. Dada a importância do mercado de vinho no setor, o trabalho de conclusão de curso no qual esse texto foi baseado pretendeu responder quais são os determinantes da intenção de recompra de vinho fino nacional ou importado em plataformas digitais. Uma das hipóteses citadas no trabalho era de que o comportamento do consumidor de vinho fino é pautado por aspectos emocionais. Esse comportamento está refletido nas dimensões funcional, emocional, simbólica, de justiça, axiomática e social da percepção de preço, como construtos antecedentes do valor percebido do produto e da consequente intenção de compra (ZIELKE, 2011). Por esse motivo, compreender os processos de intenção de recompra à luz das teorias econômicas comportamentais pode ser de grande relevância.

De acordo com o E-commerce Quality Index (EQI), que é o indicador que mede a qualidade da experiência de compra no e-commerce brasileiro – sob a perspectiva do consumidor, 95% dos consumidores lêem as avaliações, afim de auxiliar na tomada de decisão antes de fazer uma compra ou recompra. Para realizar essa análise, utilizou-se a ferramenta de WebScrapping (raspagem de dados) para a coleta das informações em plataformas digitais, com a base de comentários extraída; e a Análise de Sentimentos, que possibilitou identificar as sentenças de polaridade positiva, negativa e neutra.

Dentre os resultados encontrados, as sentenças positivas representaram 86% dos comentários, podendo haver uma tendência na ação de compra e recompra desses produtos avaliados em plataformas on-line. Além disso, encontramos evidências de que há uma relação inversa entre a temperatura e o aumento de avaliações dos vinhos: nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, as avaliações foram majoritariamente 78,94% na região Sudeste e 11,81% na região Sul.

Além do aspecto temperatura, há também resultados interessantes com relação à época: as avaliações também são mais frequentes em períodos festivos de final de ano.

As palavras “CostBenefit” estão presente nos comentários dos vinhos que estão na faixa de preço de R$ 0,00 a R$ 250,00. Observa-se que essa palavra tem a representatividade maior nos vinhos que estão na faixa de preço de R$ 0,00 a R$ 100,00. Considerando a definição do valor percebido dos autores ZEITHAML, 1988; MONROE; LEE, 1999; SWEENEY; SOUTAR, 2001, esse conceito pode explicar esse comportamento pois percebe-se que, nesse caso, os valores de vinhos mais baratos se tornam mais atrativos e acabam superando as convicções subjetivas, emocionais e condicional dos usuários em relação ao preço do vinho.

A Análise Sentimental de todas as observações da base de dados trouxe os seguintes resultados de 432 comentários, 371 são positivas, 51 neutras e 10 negativas. Para os autores NOYAN e SIMSEK (2012), HELLIER, GEURSEN, CARR e RICKARD (2003) e ZEITHAML, BERRY e PARASUMARAN (1996) a intenção de recompra pode ser justificada no relacionamento do produto, usuário e empresa. Portanto as observações de polaridade positiva devem aumentar a intenção de recompra dos usuários, como também influenciar no julgamento de novos usuários na intenção de compra. Um pressuposto é que as intenções comportamentais de recompra dos usuários dessa base de dados, é influenciada pelas avaliações de polaridades positivas que equivalem a 86% dos comentários.

Então na próxima vez que você estiver em uma plataforma de digital, “scrolling in the deep” à procura de um bom vinho saiba que as suas emoções podem estar no controle.

Esse artigo foi baseado no Trabalho de Conclusão de Curso “INTENÇÃO DE RECOMPRA DOS VINHOS NACIONAIS E IMPORTADOS: UMA ABORDAGEM À LUZ DE TEORIAS COMPORTAMENTAIS E ANÁLISE DE SENTIMENTOS” dos alunos Alexandre de Oliver Faria e Amanda Faustino, sob orientação do Prof. Dr. Walcir Soares Junior

Alexandre de Oliver Faria, Amanda Faustino são alunos concluintes do curso de graduação em Ciências Econômicas da Universidade Positivo. amandafaustino1@hotmail.com e alexandre.oliverf@gmail.com

Professor Dabliu é Doutor em Desenvolvimento Econômico (UFPR/UCL) e professor do curso de Ciências Econômicas da Universidade Positivo. walcir.soares@up.edu.br

Referências

HELLIER, P.K.; GEURSEN, G.M.; CARR, R.A.; RICKARD, J.A. Customer repurchase intention: a general structural equation model. European Journal of Marketing, v.37 n.11/12, p.1762-1800, 2003.

LETT.E-commerce quality index 2019. Disponível em:<https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/wp-content/uploads/sites/41/2020/03/lett-eqi-2019_210320201236.pdf>Acesso em: 05/11/2021

NOYAN, F.; SIMSEK, G. G. A partial least squares path model of repurchase intention of supermarket customers. Procedia – Social and Behavioral Sciences, Istanbul, v.62, p.921-926, 2012.

Organization Vine and Wine (2019). State of the world vitivinicultural sector in 2019. Disponível em: <http://www.oiv.int/public/medias/7298/oiv-state-of-the-vitivinicultural-sector-in-2019.pdf> Acesso em: 20 jun.2020.

RUST, R.T.; ZEITHAML, V.A.; LEMON, K.N. Driving customer equity: how customer lifetime value is reshaping corporate strategy. New York: The Free Press, 2000.

ZIELKE, S. How price image dimensions influence shopping intentions for different store formats. European Journal of Marketing, United Kingdom, v.44, n.6, p.748-770, 2010

professordabliu

Economista, Doutor em Desenvolvimento Econômico (UFPR/UCL). Atualmente é professor da Fundação de Estudos Sociais do Paraná (FESP) e na Business School da Universidade Positivo (UP). É também avaliador dos cursos de graduação pelo INEP.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: